O mundo está de olho em uma nova ameaça à saúde: Um novo vírus, pertencente à família do coronavírus, espalhou-se a partir da região de Wuhan, na China, e já provocou 2.915 mortes até o momento. Saiba mais sobre o agente infeccioso que está causando surtos na Ásia.

Conheça a nova mutação do coronavírus

A família do agente etiológico é o Coronaviridae.

A variação do vírus que está infectando diversas pessoas na China, e em outros 12 países, é conhecida tecnicamente como 2019-nCoV.

Esta mutação causa a síndrome respiratória aguda grave, afetando o trato respiratório superior em seres humanos.

Nos animais, ele pode causar lesões nos sistemas respiratório, hepático, gastrointestinal e neurológico.

O grupo coronavírus reúne agentes infecciosos que provocam desde sintomas de resfriado até outros mais graves, como os causadores da SARS (sigla em inglês para a Síndrome Respiratória Aguda Grave) e da MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio).

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, os primeiros coronavírus foram identificados em meados da década de 1960.

As mutações mais antigas, como SARS-CoV e MERS- CoV, são conhecidas pelos cientistas.

Estas variações do coronavírus foram transmitidas entre gatos e humanos e entre dromedários e humanos, respectivamente.

Já esta nova variação que vem ameaçando o planeta desde a virada do ano ainda não tem uma causa conhecida.

Sintomas

*Infecção Respiratória Aguda;

* Febre;

*Tosse seca;

* Falta de ar. 

coronavírus

Surto, Epidemia ou Pandemia?

Com a ocorrência de altos números de indivíduos infectados, surge logo o pensamento de uma epidemia. Mas, você sabe a diferença entre surto, epidemia e pandemia? Vamos explicar!

  • Um surto acontece quando há o aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica. Porém, para ser considerado surto, este aumento deverá ser maior do que o esperado pelas autoridades.
  • Já a epidemia caracteriza-se quando um surto acontece em diversas regiões. Uma epidemia a nível municipal acontece quando moradores e transeuntes de diversos bairros apresentam uma doença. A epidemia estadual acontece quando diversas cidades têm casos. E a epidemia nacional ocorre quando há casos confirmados em diversas regiões do país.
  • Um dos piores cenários é a pandemia Ela acontece quando uma epidemia se espalha por diversas regiões do planeta. Podemos citar, por exemplo, a ocorrência, em 2009, da gripe A (ou gripe suína), que passou de epidemia para pandemia, quando a OMS registrou casos nos seis continentes no mundo.
  • Por fim, uma doença é classificada como uma endemia quando é típica de uma região, ou seja, acontece com frequência no local. As doenças endêmicas podem ser sazonais e não são relacionadas a questões quantitativas.

Novos dados sobre o surto na China

Segundo dados atualizados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a China já contabiliza 2.912 mortes pela infecção e  mais de 80 mil casos confirmados.

No Brasil,  o número de casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus chega a 252, com duas confirmações no Estado de São Paulo. Confira a seguir, onde estão localizados os casos suspeitos:

  • 2 casos confirmados, 136 casos suspeitos e 48 descartados no Estado de São Paulo (SP);
  • 17 casos suspeitos e 3 descartados em Minas Gerais (MG);
  • 19 casos suspeitos, 8 descartados no Rio de Janeiro (RJ);
  • 9 casos suspeitos, 4 descartados em Santa Catarina (SC);
  • 6  casos suspeitos e 2 descartados no Ceará (CE);
  • 5 casos suspeitos e 3 descartados no Paraná (PR);
  • 3 casos suspeitos e 2 descartados no Rio Grande do Norte (RN);
  • 27 casos suspeitos e 10 descartados no Rio Grande do Sul (RS);
  • 1 caso suspeito em Alagoas (AL);
  • 9 casos suspeitos e 4 descartados na Bahia (BA);
  • 5 casos suspeitos e 1 descartado em Brasília (DF);
  • 2 Casos suspeitos e 1 descartado o Espírito Santo (ES);
  • 5 casos suspeitos em Goiás (GO);
  • 2 casos suspeitos em  Mato Grosso do Sul (MS);
  • 1 caso suspeito e 1 caso descartado na Paraíba (PB);
  • 5 casos suspeitos e 2 descartados em Pernambuco (PE);

Outro fator preocupante acerca do novo vírus é que sua transmissão ocorre antes mesmo do aparecimento de qualquer sintoma no paciente.

Assim, não se consegue ter um controle para evitar uma possível epidemia. O período de incubação do coronavírus pode variar de 1 a 14 dias, sendo que é infeccioso durante a incubação.

Esta é uma das diferenças do surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que ocorreu no país em meados de 2002 e 2003, matando 800 pessoas em todo o mundo.

Como os primeiros casos surgiram?

Em 31 de dezembro de 2019, a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu o primeiro alerta para a doença.

Este alerta ocorreu após autoridades chinesas notificarem casos de uma misteriosa pneumonia na cidade de Wuhan – metrópole chinesa com 11 milhões de habitantes, considerada a sétima cidade mais populosa na China e a 42ª no mundo.

Inicialmente, as investigações sobre o surgimento da nova mutação do vírus associaram a ocorrência da epidemia em pessoas que tiveram algum contato com um mercado de frutos do mar em Wuhan, despertando a suspeita de que a transmissão do novo tipo de coronavírus tenha ocorrido entre animais marinhos e humanos.

Porém, nada foi confirmado e ainda não se sabe a verdadeira causa e o transmissor da nova mutação viral.

Confira onde tem registro de infecção pelo Covid-19:

Ásia:

China (+ Hong Kong,  Macau, Taiwan)

Japão

Malásia

Singapura

Coreia do Sul

Tailândia

Vietnã

Nepal

Camboja

Sri Lanka

Emirados Árabes

Índia

Filipinas

Rússia

Irã

Bahrein

Omã

Kuwait

Iraque

Paquistão

América

EUA

Canadá

Brasil

Europa

França

Áustria

Alemanha

Finlândia

Suécia

Suíça

Bélgica

Croácia

Itália

Reino Unido

Espanha

Grécia

Geórgia

Macedônia do Norte

Noruega

Romênia

Oceania

Austrália

África

Egito

Argélia

Vítimas da nova mutação do coronavírus

Em 9 de janeiro, um paciente do sexo masculino de 61 anos de idade foi hospitalizado com dificuldades de respiração e pneumonia grave, falecendo após uma parada cardíaca. 41 pessoas já haviam se infectado.

De acordo com informações do site da rede local ABS – CBN NEWS, uma criança brasileira está internada nas Filipinas com suspeita de infecção pelo novo vírus. Ela esteve na cidade chinesa de Wuhan com os pais e foi internada com febre e dificuldade para respirar, enquanto seu pai apresentava apenas dor de garganta.

Por precaução, a família (pai, mãe e criança) foi internada em isolamento por um período de 5 a 14 dias, até os resultados dos exames ficarem prontos.

Como ocorre a transmissão da nova mutação do coronavírus

A transmissão do novo vírus acontece antes mesmo do aparecimento dos sintomas.

Mas, o que está sendo feito para evitá-la?

Autoridades da China estão reforçando ações de combate à transmissão da nova mutação do coronavírus.

Entre estas ações, estão restrições de transportes, viagens e cancelamento de grandes eventos.

Evitar aglomerações também faz parte das medidas de precaução. As festividades de Ano-Novo Chinês foram canceladas devido ao grande número de infecções.

A China anunciou, também, a proibição nacional da venda de animais silvestres em mercados, restaurantes e plataformas de comércio eletrônico.

O cancelamento de viagens que partem do país  está acontecendo como medida para evitar a propagação da doença.

No Brasil, o risco de uma possível contaminação pelo novo vírus é baixo.

Porém, ações de conscientização acerca dos sintomas através da utilização de avisos sonoros e cartazes nos aviões para que o passageiro busque atendimento em um posto de saúde caso haja sintomas, como febre e problemas respiratórios, serão adotados.

Hábitos de prevenção

Entre os hábitos de prevenção para quadros virais infecciosos como este, destacam-se:

  • Evite sair de casa, caso esteja com febre;
  • Proteja seu nariz e boca com máscara, caso esteja tossindo e/ou espirrando e evite contato com outras pessoas para prevenção de contaminação;
  • Lave sempre as mãos com água e sabão;
  • Mantenha uma alimentação balanceada e aumente a ingestão de líquidos, mantendo-se sempre hidratado;
  • Em caso de sintomas suspeitos, procure atendimento médico o mais rápido possível.

Gostou deste artigo? Espero que o conteúdo tenha sido útil para você.

Aproveite e conheça o Hygia, Software de Gestão da Saúde, voltado ao setor público!

Continue nos acompanhando, em breve mais novidades! Até a próxima.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *