Processo de Acolhimento na SaúdePowered by Rock Convert

O novo coronavírus (Covid-19) vem se propagando de forma acelerada por todos os continentes e, desta forma, aumentando exponencialmente a sua curva de contágio ao longo do tempo.

Sendo assim, as autoridades públicas de todos os países adotaram medidas para achatar esta curva.  Mas, você sabe o que ela significa?

Confira, neste post, o que é a curva de transmissão e a importância do seu achatamento.

Acompanhe!

Curva de Contágio: O que é?

As epidemias seguem um padrão de crescimento exponencial, representando os fenômenos que se multiplicam rapidamente ao longo do tempo.

Uma única pessoa infectada é capaz de transmitir um vírus para o seu círculo profissional, familiar e de amizades. Consequentemente, os infectados continuarão a transmissão para seus respectivos grupos de convivência.

A pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19) tem seu crescimento exponencial acontecendo de forma acentuada. O número de infectados no dia anterior é sempre menor do que no presente.

“A curva tenta nos mostrar o impacto social da transmissão e contágio de uma doença infectocontagiosa. Assim, conseguimos definir, de acordo com a evolução temporal, como a incidência da doença está se comportando. Ou seja, em determinado período de tempo, quantos casos novos surgiram. Com isso, nós conseguimos fazer um gráfico que norteia se está havendo aumento, estabilização ou até declínio do padrão do contágio”, explica Elton Menezes Gomes, médico hematologista.

O aumento de novos casos em uma epidemia reflete uma fase de um ciclo de três etapas:

    1- Crescimento exponencial – acontece quando há o crescimento acelerado do número de novos casos da infecção.

    2- Saturação – ocorre quando a epidemia alcança um pico de casos.

    3- Decaimento exponencial – estágio em que a quantidade de pessoas que se recuperam da doença é maior que a de novas infectadas.

    Ao observar o gráfico, é importante estar atento à representação das curvas:

    • Quanto maior o número de novos casos em um menor intervalo de tempo, mais acentuada a curva;
    • Quanto menor o número de novos casos em um maior intervalo de tempo, menos acentuada a curva.

    Vale ressaltar que ambas as curvas alcançam um crescimento exponencial.

    Um dos maiores desafios enfrentados pelas autoridades públicas durante a pandemia do Covid-19 é referente à dinâmica de transmissão do vírus. Há o espalhamento por contágio, de uma pessoa a outras pessoas, e também o espalhamento dos epicentros, onde os países tornam-se centros da doença.

    Ainda de acordo com Elton, quando uma infecção acontece de forma desordenada, sem chances de contenção ou controle, a curva de incidência sobe muito rapidamente em um curto período de tempo. Porém, ela também tende a cair rapidamente, já que uma grande quantidade de pessoas já foi infectada.

    Leia também: Pandemia: Quais impactos pode trazer para a saúde

    Isolamento social x achatamento da curva 

    Após um aumento considerável no número de casos de infecção pelo novo coronavírus, as autoridades públicas de todos os países resolveram adotar medidas restritivas para frear o avanço da pandemia. Uma destas medidas é o isolamento social.

    Existem quatro graus de quarentena. Vamos conhecê-los?

    • Grau 1 – Também chamado de “efeito rebanho”, funciona da seguinte maneira: aqueles que estão em risco de infecção (grupos de risco) podem ser protegidos porque estão cercados de pessoas que se tornam resistentes à doença em geral, através da vacinação ou da contração do patógeno, criando imunidade contra ele. Neste caso, é válido lembrar que ainda não existe vacinação para o Covid-19.
    • Grau 2 – Recomendações e fechamento de escolas e estabelecimentos: esta medida visa evitar aglomerações de pessoas, assim como que crianças e adolescentes transmitam o vírus a integrantes mais idosos e vulneráveis das famílias. De acordo com levantamento da Unesco, ao menos 157 países adotaram o fechamento de escolas para conter o avanço da doença.
    • Grau 3 – Toque de recolher noturno: consiste na proibição de circulação nas ruas durante um horário noturno determinado pelas autoridades. Países como Chile, Romênia, Egito, Arábia Saudita e algumas regiões do Brasil têm adotado esta medida.
    • Grau 4 – Proibição à circulação de pessoas: com esta medida, a população só pode sair de casa para atividades essenciais, como buscar atendimento médico (em caso de extrema necessidade) ou buscar comida, sob pena de multa caso seja flagrado pelas autoridades policiais. Não há eventos públicos ou aulas, e os restaurantes só funcionam em regime de delivery. Também pode haver o fechamento de fronteiras.

    No Brasil, os Estados adotaram medidas como fechamento de escolas e cancelamento de eventos públicos, mantendo apenas o funcionamento de serviços essenciais à população. Há recomendação para que as pessoas permaneçam em casa.

    Leia também: Quarentena: 8 dicas para cuidar da saúde mental

    Curva-de-contágio-Covid-19

    Afinal, o que significa o achatamento da curva epidêmica?

    De uma forma simplificada, o achatamento da curva de contágio é uma medida adotada para evitar a sobrecarga dos serviços de saúde e, assim, limitar o número de mortes.

    Consiste em provocar a desaceleração da disseminação do vírus, de modo que os números de casos confirmados se espalhem ao longo do tempo e não haja picos de transmissão no início.

    O isolamento social, decretado pelas autoridades públicas, faz parte da estratégia de achatamento da curva de transmissão do Covid-19 e é capaz de desacelerar o crescimento exponencial da pandemia.

    É importante que haja medidas restritivas para frear o avanço da transmissão do vírus e evitar que o sistema de saúde entre em colapso por não conseguir atender a demanda durante os picos de contágio.

    “O que acontece com o achatamento é que nós temos um maior período de ocorrência de novos eventos, mas não há uma quantidade exagerada sendo afetada de uma vez. O perigo da curva sem controle é que isso leva a um número absurdo de doentes no mesmo momento, o que satura os serviços de saúde, superando a capacidade de cuidarem de tantos doentes. Na curva apiculada, por exemplo, você tem 500 doentes ao longo de três meses, mas os hospitais só conseguem dar conta de 100. Na curva achatada, você tem 80 doentes ao longo de 10 meses, mas os hospitais conseguem cuidar de todos”, explica o hematologista Elton Gomes.

    Ainda de acordo com ele, quanto mais próximo do achatamento chegarmos, maior será a capacidade das unidades de saúde de cuidar dos afetados.

    “O que pode garantir esta aproximação da curva de achatamento é manter o isolamento social, as medidas de higiene dentro e fora de casa, além de programas de apoio social por parte dos governantes. Também é fundamental termos a capacidade de diagnosticar a doença precocemente”, finaliza.

     

    Gostou deste artigo? Aproveite e conheça o Hygia, nosso sistema de gestão da saúde voltado ao setor público. Acesse nosso site e saiba mais!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *