O desperdício de medicamentos e fraude somou quase R$ 28 bilhões em 2017 com contas hospitalares e exames realizados indevidamente

Após uma consulta médica nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), é comum o médico receitar, quando necessário, algum medicamento ao paciente, que se dirige à farmácia do posto para buscar o remédio.

Acontece que em muitos casos a farmácia daquele posto pode não ter mais o remédio. Duas hipóteses: o medicamento pode estar em falta, vencido ou armazenado incorretamente. O destino para muitos desses remédios: o lixo.

Pode parecer surreal ver os remédios estão vencendo ou deixando de ser entregues à população, porém é a realidade. De acordo com reportagem da BBC, o relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) apresentou que a falta de cuidado com os medicamentos causou um desperdício de R$ 16 milhões.

Reduzir o desperdício de medicamentos na saúde pública melhorará a qualidade dos produtos, economizará recursos e permitirá que as equipes agreguem valor ao atendimento ao paciente.

Neste post iremos falar sobre a importância de economizar os recursos farmacêuticos e elaborar uma gestão mais eficiente para evitar o desperdício de medicamentos e conscientizar o profissional da saúde. Confira o post do Blog Hygia!

remédios no lixo

Como o desperdício de medicamentos afeta a saúde pública

Na saúde pública a falta de remédios é uma constante. Muitas vezes isso acontecer por falta de cuidados com o armazenamento e vencimento das medicações. Essa falta de cuidado diz muito sobre como é a gestão e a quão despreparada está para atender a população.

E todos os anos esse desperdício de medicamentos acontece e afeta a saúde pública nacional e quem depende dela. Em 2016, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro, incinerou 700 toneladas de medicamentos vencidos. Um prejuízo milionário aos cofres públicos.

A lista de remédios continha comprimidos para controle de pressão, fitas de medição de glicose, remédios para combate à dengue, antibióticos, medicamentos para Parkinson e tuberculose, vitaminas, entre outros.

Dá para imaginar a quantidade de pessoas que se beneficiaram com esses remédios, não é? Isso só em 2016. O último caso de desperdício de medicamentos na saúde pública foi em 2017, quando foram jogados no lixo R$ 16 bilhões em remédios.

Com a falta de médicos para atender aos pacientes e a falta de remédios, muitas pessoas deixam de cuidar da saúde. Se um remédio estiver em falta nas farmácias de UBS e UPA, a vida de alguém pode estar em risco.

Por isso, é muito importante se atentar para não deixar medicamentos vencerem e evitar o desperdício. Veja nossas dicas para fazer essa gestão.

Uso racional de medicamentos

Como fazer a gestão do uso racional de medicamentos

Para contornar esse problema é necessário focar em uma gestão de farmácia eficaz e assertiva. Distribuir corretamente os medicamentos ajuda a atender toda a população, em especial quem precisa de medicamentos de alto valor. Veja como fazer a gestão e evitar gastos.

Ficar de olho no vencimento dos remédios

Com o alto volume de medicamentos que se recebe, muitas vezes, quando uma nova carga chega às farmácias, o atendente apenas coloca os medicamentos à frente dos antigos.

O que fazer?

Sempre priorize colocar os antigos medicamentos à frente. Busque verificar a demanda de saída e o uso que o paciente realiza. Assim é possível calcular o prazo da medicação até ele precisar de um novo.

Siga as orientações de armazenamento

Alguns remédios precisam ser guardados corretamente para não perder seu efeito. Sendo assim, a atenção deve ser redobrada ao guardar os medicamentos nas caixinhas ou armários.

O que fazer?

Checar se os refrigeradores estão em temperatura correta. Não deixar os medicamentos expostos ao sol ou próximo da luz elétrica – uma vez que ela também emite calor. Fazer a limpeza local, para evitar que sujeira acumule.

Descarte consciente dos medicamentos

Jogar os remédios despropositado pode oferecer riscos à saúde e ao meio ambiente, uma vez que pode ocorrer a contaminação por solo e água.

O que fazer?

Verifique com regularidade a data de vencimento dos medicamentos. Separe os remédios vencidos (pomadas, cartela de comprimidos, xaropes, spray etc). Coloque-os no ponto de coleta. Materiais perfurocortantes (agulhas e ampolas) devem ser descartados corretamente em sua caixa.

Para auxiliar a gestão de farmácias e não deixar os medicamentos vencerem, o sistema Hygia contribui para não evitar o gasto desnecessário com remédios, criando um controle de estoque seguro e eficaz. Fale com um de nossos consultores e conheça a solução. Até a próxima!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *