Processo de Acolhimento na SaúdePowered by Rock Convert

O mundo vem enfrentando desafios sem precedentes com a chegada do novo coronavírus (Covid-19). As equipes de saúde que estão na linha de frente vêm sentindo o impacto que a disseminação do vírus tem causado, não apenas na gestão da saúde como também na vida pessoal dos profissionais da área e, claro, dos pacientes e seus familiares.

Com a alta demanda de procura pelos serviços médicos, promover um atendimento personalizado e humanizado torna-se mais um desafio a ser superado pelos gestores das instituições de saúde.

Neste post, vamos explicar o que mudou na gestão após a chegada da Covid-19.

Acompanhe!

Equipes de saúde: Quem são seus integrantes?

Uma equipe de saúde é composta por:

  • Gestores
  • Médicos
  • Enfermeiros
  • Técnicos de enfermagem
  • Auxiliares de enfermagem
  • Fisioterapeutas
  • Biomédicos
  • Psicólogos
  • Profissionais de limpeza
  • Maqueiros
  • Recepcionistas
  • Seguranças
  • Condutores de ambulâncias

Para que uma instituição de saúde esteja preparada para lidar com alta demanda de atendimentos e possa promover uma assistência humanizada ao paciente, contar com esses profissionais é fundamental.

A disseminação do novo coronavírus exigiu que mudanças fossem efetuadas e novos protocolos, estabelecidos. Deste modo, fez com que as equipes de saúde se esforçassem ainda mais. Tudo isso aliado ao desconhecimento e incerteza acerca do novo vírus proporcionou estresse a todos os envolvidos.

De acordo com dados analisados em 2019, antes da pandemia, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apontou que a depressão é a doença que mais incapacita os profissionais do mundo todo em 2020. Ficando atrás apenas dos EUA, o Brasil apresenta maior índice de depressão e ansiedade da América Latina.

Leia também: Interoperabilidade na saúde: Entenda como funciona no SUS

Impactos do Covid-19 nas equipes de saúde

Com todo o estresse causado pela incerteza acerca do novo coronavírus, muitos profissionais que estão na linha de frente nos cuidados aos pacientes infectados  sofrem com transtornos emocionais.

Trabalho sob alto nível de exigência física e emocional, falta de equipamentos e insumos e superlotação de leitos são alguns problemas que contribuem para o desenvolvimento da Síndrome de Burnout (esgotamento profissional) e outros transtornos mentais.

A síndrome do esgotamento profissional é um distúrbio emocional que tem como sintomas exaustão extrema, estresse e esgotamento físico, durante situações que demandam muita responsabilidade, competitividade e que são complexas.

Com a pandemia de Covid-19, os profissionais de saúde têm medo de contaminar os seus entes queridos e, por isso, muitos optam por sair de casa temporariamente para protegê-los. Diante deste cenário incerto, de exaustão e medo, os casos de depressão e Síndrome de Burnout são crescentes entre os profissionais de saúde, principalmente.

A prevenção consiste em adotar estratégias que diminuam a pressão e o estresse no ambiente de trabalho. Sendo assim, contar com ferramentas que auxiliam os gestores no âmbito da saúde pública é uma excelente alternativa.

Leia também: Lean Healthcare: Como implantar na gestão da saúde pública

Os Sistemas de Gestão da Saúde voltados ao setor público, como o Hygia,  permitem uma melhor utilização dos recursos disponíveis na instituição, além de gerenciar e controlar a dispensa de medicamentos, equipamentos e insumos, gerando economia e maior organização no fluxo de trabalho e atendimentos. Assim, evita-se, a sobrecarga de trabalho e superlotação da unidade de saúde.

Leia também: Gestão Hospitalar: Conheça 6 ferramentas para otimizá-la

Para que os profissionais que estão na linha de frente sejam menos impactados pela pandemia, é preciso que alguns cuidados básicos sejam tomados, como, por exemplo, atenção à alimentação, higiene, descanso, convívio social – mesmo que virtual -, de forma que mantenham-se vinculados a uma rede de apoio psicossocial.

Dentre outras práticas, é válido salientar que o profissional deve estar sempre orientado e munido de informações oficiais, além de realizar uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPIs).

Em um cenário pós-pandemia, a implementação de estratégias de liderança e metodologias ágeis aliada aos recursos tecnológicos tende a deixar as equipes mais alinhadas e engajadas, com as tarefas distribuídas de forma mais igualitária.

Assim, o fluxo de atendimento e a economia de recursos estarão organizados de forma contínua.

Conheça o Hygia

Desenvolvido por especialistas, o Hygia é um sistema de gestão da saúde voltado ao setor público. Possui uma versão completa, que atende a prefeituras de municípios com mais de 300 mil habitantes e outra mais compacta, que visa ao atendimento em  pequenos municípios.

A solução promove a integração entre as unidades de saúde da rede pública, realiza informatização das Unidades Básicas de Saúde (UBSs), além de garantir uma assistência humanizada aos pacientes com redução de filas e integração do Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP).

Para conhecer todos os benefícios do Hygia, agende uma conversa com nossos consultores.

Neste artigo, você entendeu o impacto da pandemia nas equipes de saúde e como a tecnologia pode ser aliada no cenário pós-Covid-19.

Até a próxima!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *