O mês de fevereiro traz consigo duas campanhas de conscientização de doenças. A primeira é a campanha Fevereiro Roxo, que alerta para as seguintes doenças: Fibromialgia, Alzheimer e Lúpus.

Já a segunda, é a campanha “Fevereiro Laranja”,  que trata do mês de combate à Leucemia.

Entenda o surgimento  destas campanhas e conheça mais sobre as doenças que estão em pauta!

Boa leitura.

Entenda como surgiu a campanha Fevereiro Roxo

Visando à conscientização da população sobre as doenças Alzheimer, Lúpus e Fibromialgia, a campanha Fevereiro Roxo foi criada em 2014, na cidade de Uberlândia, em Minas Gerais (MG).

O lema da campanha é: “Se não houver cura, que ao menos haja conforto”, fazendo alusão à importância de se proporcionar bem-estar aos portadores de doenças crônicas.

A campanha consiste na disseminação de informações sobre as enfermidades citadas acima, através de mutirões de saúde, palestras e outras ações junto à população.

Geralmente, este trabalho de divulgação é realizado por organizações não governamentais (ONGs) e contam com o apoio de prefeituras e governos estaduais.

É válido ressaltar que as campanhas não são unificadas e, sendo assim, em fevereiro também há a conscientização sobre a leucemia, tendo a cor laranja como representante da campanha.

Entenda a seguir um pouco mais sobre as doenças que fazem parte da conscientização no mês de fevereiro.

Leia também:

Saúde mental: Conheça a campanha Janeiro Branco

Medicina Integrativa: Conheça o modelo assistencial

Fevereiro Roxo: Conheça mais sobre o lúpus

O lúpus eritematoso é uma doença rara e autoimune. Ou seja, o que ocorre na patologia é uma reação do sistema imunológico contra as células do próprio indivíduo, sendo responsável por danos que podem ocorrer nos órgãos internos (rim, pulmão, coração, cérebro e articulações) ou somente na pele.

O lúpus é uma doença crônica que afeta pacientes do sexo feminino com mais frequência do que pacientes do sexo masculino, além de acometer mais adultos e jovens do que crianças e idosos.

É necessária uma assistência médica globalizada – em que o paciente é avaliado integralmente, já que se trata de uma patologia crônica em que são recomendados o tratamento contínuo e o monitoramento do paciente, com o objetivo de avaliar a atividade da doença.

Em cerca de 80% dos pacientes, a pele é afetada e, sendo assim, o médico assistente responsável pelo diagnóstico e tratamento é o dermatologista.

A doença pode se manifestar de diversas maneiras, de acordo com o órgão afetado. Quando manifestada na pele, os sintomas podem ser os seguintes:

  • Sensibilidade ao sol nas áreas expostas, como face, colo e braços;
  • Manchas avermelhadas que podem descamar, e deixar até cicatrizes, também são comuns;
  • Quando manifestada em áreas com pelos, como o couro cabeludo, pode ocasionar queda dos cabelos.

Outros sintomas também podem surgir com a manifestação do Lúpus Eritematoso:

  • Dor nas articulações;
  • Mal-estar;
  • Perda de apetite;
  • Perda de peso.

Caso a doença se manifeste afetando órgão internos, também podem ser notados os seguintes sintomas:

  • Dor e dificuldade para respirar;
  • Redução do funcionamento dos rins;
  • Desmaios;
  • Convulsões.

O diagnóstico é feito através da realização de exames laboratoriais e depende da comprovação da agressão ao órgão afetado.

A doença ocorre por predisposição genética e seu tratamento consiste, principalmente, na proteção solar rigorosa. A maioria dos casos beneficiam-se do uso de medicamentos antimaláricos (que tratam a malária, porém reduzem a inflamação no organismo) por um longo período.

Já o lúpus que se manifesta na pele pode ser tratado com cremes ou injeções locais com medicação que reduz a inflamação.

A atuação da equipe multidisciplinar – que conta com reumatologistas, neurologistas, nefrologistas e pneumologistas – pode ser necessária.

Como já dito anteriormente, a doença se manifesta devido à predisposição genética. Neste cenário, não existem medidas específicas que sirvam para sua prevenção.

O diagnóstico e o início do tratamento realizado de forma precoce possibilitam menores danos no organismo dos pacientes. 

Fevereiro Roxo: Mês de prevenção ao Alzheimer

Fevereiro Roxo: Saiba mais sobre o alzheimer

A conscientização sobre a doença neurodegenerativa alzheimer,também faz parte da campanha que está em vigor neste mês de fevereiro.

Em seu conceito, o alzheimer é uma doença que se manifesta apresentando deterioração cognitiva e da memória de curto prazo.

Alterações comportamentais e sintomas neuropsiquiátricos que se agravam ao longo do tempo também fazem parte da manifestação da patologia.

O alzheimer acomete pacientes acima de 65 anos, podendo manifestar-se de forma precoce desde os 30 anos de idade.

A previsão de pesquisadores da Universidade do Porto, em Portugal, e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) é que o número de casos de demência, que correspondem a 55 mil novos diagnósticos por ano, deve alcançar 1,6 milhão de pessoas com mais de 65 anos em 2020 e cerca de um quarto da população brasileira com mais de 80 anos daqui a três anos.

Alzheimer não tem cura. Seu diagnóstico é baseado na identificação das modificações cognitivas específicas.

São realizados exames físicos e neurológicos, junto com uma avaliação do estado mental do paciente, a fim de conseguir identificar déficits de:

  • Memória;
  • Linguagem;
  • Percepção visoespacial – percepção do espaço.

O diagnóstico precoce, além do tratamento adequado e feito de forma ágil, é fundamental para permitir o alívio dos sintomas e a estabilização ou retardo da progressão da doença.

Já o tratamento é realizado a partir da utilização de medicamentos cuja finalidade é a estabilização do comprometimento cognitivo, do comportamento e da realização das atividades diárias.

Saiba mais sobre a fibromialgia

Somada à campanha “Fevereiro Roxo”, temos a conscientização da síndrome fibromialgia, popularmente conhecida como “fibro”, que tem suas causas ainda desconhecidas.

Cerca de 2% a 10% da população mundial é acometida pela patologia, porém, o perfil com maior incidência da doença é de mulheres jovens e de meia idade (20 a 50 anos), em uma proporção de sete mulheres para cada homem.

Como dito anteriormente, as causas da fibromialgia são desconhecidas, porém acredita-se que ela ocorre devido à captação de estímulos realizados pelo cérebro, de maneira anormal.

O diagnóstico da fibromialgia é feito através da realização da anamnese e exame específico.

Dores generalizadas, espalhadas pelo corpo e articulações, que podem durar meses, são alguns dos sintomas da doença.

Fadiga e cansaço durante o dia, alterações do sono, alteração da memória e problemas cognitivos, também fazem parte do quadro sintomatológico da fibromialgia.

O tratamento deve ser realizado com acompanhamento médico especializado, de forma integral, e consiste no uso de medicamentos antidepressivos, ansiolíticos, analgésicos e relaxantes musculares. A prática de exercícios físicos, em conjunto com uma alimentação saudável, é recomendada para o alívio dos sintomas.

Fevereiro Laranja: Mês de combate à leucemia

A cor laranja destaca o mês de conscientização sobre o combate à leucemia, doença que tem seu início na medula óssea, onde o sangue é produzido.

Os exames rotineiros enquadram-se na prevenção da leucemia. Caso exista qualquer alteração no sangue e a suspeita da existência da doença, é realizado um exame chamado mielograma, que consiste na coleta de uma pequena quantidade de medula óssea.

Se o resultado for positivo, o tratamento deverá ser iniciado imediatamente.

Sintomas da Leucemia:

Apresentam-se de formas variadas, como:

* Sangramento nas gengivas e no nariz;

* Inchaço no pescoço;

* Cansaço;

* Dores nos ossos e nas articulações;

* Febre acompanhada de sudorese noturna;

* Perda de peso;

* Manchas avermelhadas ou arroxeadas na pele.

A causa da patologia é a proliferação de células anormais na medula óssea. A formação das células saudáveis é substituída pelas células cancerígenas.

Tratamento

O tratamento da Leucemia consiste na administração de medicações quimioterápicas, objetivando a anulação das células cancerígenas e o retorno à produção das células sadias. Caso seja necessário, após o controle da doença, pode ocorrer o transplante da medula óssea.

A cada 100 mil pacientes, apenas um doador é compatível. Por isso, a importância da doação de medula óssea!

Por hoje, é isso! Você entendeu mais sobre as doenças que fazem parte da campanha “Fevereiro Roxo”. Esperamos que o conteúdo tenha sido útil! Continue nos acompanhando. Até a próxima!

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *