Contar com ferramentas que otimizam a gestão hospitalar é fundamental para realizar um gerenciamento eficiente das unidades de saúde.

A utilização de um sistema de gestão da saúde pública, por exemplo, proporciona redução de custos, além de promover assistência humanizada ao paciente e melhor organização do fluxo de trabalho.

Neste artigo, você irá conferir 6 ferramentas para otimizar a sua gestão.

Continue conosco!

1. Business Process Management (BPM)

O Business Process Management (Gestão de Processos de Negócio, na tradução para o português) é uma solução utilizada com o objetivo de realizar o mapeamento dos processos nas instituições, de forma que os gargalos presentes sejam identificados e resolvidos. Com este mapeamento, também é possível a visualização de oportunidades.

O conceito de BPM é pautado no conjunto de práticas voltadas para sistematizar ações de melhorias contínuas dos processos de um empreendimento. A utilização do Business Process Management possibilita o controle de fluxo de atividades e correção de ciclos e processos que não estão apresentando bom desempenho. Desta forma, a produtividade é aumentada e a experiência do usuário, melhorada.

No âmbito da saúde pública, a utilização do Business Process Management é importante por possibilitar a comunicação entre diversos setores da instituição (administração, recepção, enfermagem e outros), utilizando as informações compartilhadas nestes setores para promover uma gestão otimizada e eficiente. O BPM também permite o uso de painéis de gestão (dashboards), de forma que os gestores  desenvolvam suas atividades de gerenciamento com agilidade e segurança.

Os benefícios desta prática incluem: integração de planejamento, gestão e controle, melhoria contínua dos processos, gerenciamento ágil de riscos, dentre outros.

Leia também: Gestão da saúde pública: Confira 5 dicas para otimizá-la

2. Software de Gestão

A transformação digital vem conquistando seu espaço cotidianamente. Na área da saúde, em que a agilidade deve se fazer presente, contar com um sistema de gestão é imprescindível.

A otimização dos processos, com qualidade e segurança, proporciona uma experiência do usuário satisfatória e humanizada. Quanto à instituição de saúde, a ferramenta proporciona a redução de custos, evita desperdícios, possibilita interoperabilidade e uma gestão eficiente dos recursos disponíveis.

Desenvolvido por especialistas, o Hygia é um sistema de gestão da saúde pública que tem como objetivo a automatização de processos e a promoção da integração entre as unidades de saúde da rede pública. A sua utilização nas Unidades Básicas de Atendimento (UBSs) permite um ganho de produtividade e humanização na oferta de serviços médicos aos pacientes do SUS.

Entre os benefícios do Hygia, podemos citar a otimização dos recursos disponíveis nas unidades de saúde; organização do fluxo de atendimentos e redução de filas para atendimentos médicos, acesso ao PEP; redução de custos; integração de informações para agilizar tomada de decisão, entre vários outros. Conheça!

Leia também: Sistema de gestão em saúde: Como implantar em municípios pequenos?

3. Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP)

O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) foi implementado do Brasil em meados de 2002.

O PEP funciona como um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais e imagens registradas, geradas a partir de fatos, acontecimentos e situações sobre a saúde do paciente e a assistência a ele prestada, de caráter legal, sigiloso e científico. A ferramenta possibilita a comunicação entre membros da equipe multiprofissional e a continuidade da assistência prestada ao indivíduo.

Essencial para a gestão hospitalar, o Prontuário Eletrônico do Paciente também pode ser utilizado para a realização do mapeamento epidemiológico, além de análises e previsões.

Gestão Hospitalar

4.Ciclo PDCA

A sigla PDCA vem do inglês (Plan, Do, Check, Act). Em sua tradução para o português, remete aos termos Planejar, Executar, Verificar e Agir. É uma estratégia adotada pelos gestores para aumentar o poder de análise e o desenvolvimento do fluxo de trabalho com mais efetividade na instituição de saúde.

A utilização do ciclo PDCA envolve uma fase de reestruturação dos procedimentos denominados planejamento, que precede a execução do plano. Depois, os gestores podem partir para a revisão das práticas, seguida pela ação, com as correções inseridas.

Dentre os benefícios da utilização do ciclo PDCA na gestão hospitalar, podemos destacar a possibilidade de reestruturação dos processos a partir de revisões constantes e feedbacks. Assim, há otimização do fluxo de trabalho na unidade de saúde.

Leia também: Sala de Situação em Saúde: Entenda como funciona!

5. 5W2H

Visando melhorias na gestão da unidade de saúde, gestores optam por utilizar ferramentas voltadas ao planejamento estratégico, como o 5W2H. Para melhor entendimento, explicaremos o seu significado.

O termo 5W2H deriva do inglês e responde às seguintes perguntas:

What – O que será feito?
Why – Por que será feito?
Where – Onde será feito?
When – Quando?
Who – Por quem será feito?
How – Como será feito?
How Much – Quanto vai custar?

Ao responder as perguntas estratégicas do roteiro, o gestor e sua equipe conseguem obter uma visão mais aprofundada acerca da instituição. Desta forma, há melhor possibilidade de implementar as mudanças necessárias ou, ainda, lançar projetos visando a melhor estruturação do processo.

A ferramenta pode ser desmembrada em uma planilha ou arquivo de texto, de modo que o gestor possa especificar e detalhar, em cada etapa, os problemas e ações que devem ser executadas.

6. Gestão Eletrônica de Documentos (GED)

Estamos na era da transformação digital e isso quer dizer que não há mais espaço para o arquivo de documentos físicos nas instituições de saúde. Portanto, é importante que a alta administração conte com ferramentas que possuam a Gestão Eletrônica de Documentos (GED).

Com esta prática, todos os documentos referentes aos processos administrativos são digitalizados e transferidos para o sistema informatizado. É importante ressaltar que os dados podem se comunicar com o Prontuário Eletrônico do Paciente, promovendo, então, integração e aumento da organização na prestação de serviços em saúde, já que os procedimentos tornam-se mais ágeis.

Dentre os benefícios do GED, podemos destacar principalmente o aumento na segurança das informações. Além disso, há ainda a otimização do espaço na instituição de saúde, sem a necessidade de guardar excesso de papéis.

Neste artigo, você conferiu 6 ferramentas que otimizam a gestão hospitalar e promovem a transformação digital na saúde. 

Esperamos que este conteúdo tenha sido útil para você. Até a próxima!

 

Lei Geral de Proteção de DadosPowered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *