Processo de Acolhimento na SaúdePowered by Rock Convert

O programa de residência médica é uma modalidade de ensino de pós-graduação destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização, sendo caracterizado por treinamento em serviços de saúde.

A duração do curso de medicina é de seis anos. Ao finalizar a graduação, o aluno deverá ingressar no programa de residência médica por mais dois anos, em que obterá o título de especialista no ramo escolhido.

Neste artigo, você entenderá como funciona o programa de residência médica, sua importância no Sistema Único de Saúde (SUS), como implementar uma gestão eficiente e muito mais.

Continue a leitura!

Programa de Residência Médica: Entenda o conceito

O programa de residência médica foi instituído no Brasil através do Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977, e consiste em uma pós-graduação gerenciada pelo Ministério da Educação (MEC).

Seu regimento é determinado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

Durante o período do internato, os alunos passam por estágios que contam com aulas práticas nas principais áreas médicas, sendo elas:

  • Clínica Médica;
  • Clínica Cirúrgica;
  • Pediatria;
  • Ginecologia e Obstetrícia;
  • Atenção Primária à Saúde.

No Sistema Único de Saúde (SUS), os programas de residência médica são voltados à atenção básica à saúde, medicina familiar, clínica médica, medicina de emergência, entre outras especialidades.

Dentre as principais finalidades do programa, podemos destacar a melhora da qualidade assistencial ao paciente, além do desenvolvimento de habilidades técnicas e incorporação da humanização na prática médica.

O programa de residência médica funciona em instituições de saúde, sob orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional.

É importante ressaltar que a expressão “residência médica” só pode ser utilizada para programas credenciados pelo CNRM, em que consta, em sua composição, a participação dos órgãos do governo, entidades médicas e representação dos residentes.

Leia também: Gestão de medicamentos: Como a automatização melhora o processo?

Programa de Residência Médica: Como melhorar a gestão?

Sabemos que o setor da saúde também vem passando por transformações digitais de forma contínua.

Automatização de procedimentos; interoperabilidade; gestão de processos, recursos e insumos; implementação de sistemas de gestão da saúde; e prontuário eletrônico marcam presença no cotidiano de gestores e profissionais da área.

Para realizar uma gestão eficiente, é preciso contar com soluções de Tecnologia da Informação (TI), como softwares que automatizam e otimizam processos.

Dentre as vantagens de um sistema de gestão, podemos destacar:

  • Otimização e melhor estruturação de processos;
  • Gerenciamento e armazenamento de dados com maior qualidade e eficiência;
  • Possibilidade de melhor comunicação entre os membros das equipes multidisciplinares e acesso às informações em tempo real e de forma segura;
  • Controle financeiro e administrativo;
  • Agilidade nas tomadas de decisões.

Leia também: Sistema de gestão em  saúde: Como implantar em municípios pequenos?

Conheça o Hygia Universidades 

O software de gestão da saúde Hygia promove a integração entre as unidades de saúde da rede pública, a fim de otimizar processos gerenciais.

Além de conter vários módulos de gestão integrados, a solução também conta com uma versão destinada exclusivamente a clínicas universitárias, o Hygia Universidades.

O sistema traz mais eficiência para a gestão da saúde e contribui para a humanização do atendimento.

Permite o controle de fluxos de atendimentos, administração de recursos e gerenciamento eficiente das clínicas universitárias, que acolhem grande parte da população e contribuem para a formação dos profissionais de saúde.

Conheça, a seguir, os principais benefícios do Hygia Universidades!

  • Captação de Pacientes: redução de filas, encaminhamento e agendamento para o próximo atendimento;
  • Regulação: o sistema obedece a todos os procedimentos estabelecidos  pelo Ministério da Saúde;
  • Organização do Fluxo: acolhimento por meio de senhas e marcação de consulta remota;
  • Registro do Atendimento: identificação do responsável pelo atendimento, com a validação registrada pelo professor;
  • Prontuário Eletrônico:  integração de todas as informações do paciente em um único lugar;
  • Medicamentos: gestão adequada para grandes demandas de atendimentos;
  • Supervisão Didática: o professor acessa e valida os registros de atendimentos realizados pelos alunos.

Ficou interessado? Agende uma conversa com nossos consultores e entenda melhor como o Hygia pode ajudar a melhorar a gestão de clínicas universitárias. 

 

 

Lei Geral de Proteção de DadosPowered by Rock Convert

Anne Coifman

Jornalista de formação, sou apaixonada pela área da saúde pública, possuindo vasta experiência em Secretaria Estadual de Saúde e Vigilância Sanitária. Sempre atenta, busco o melhor das informações para proporcionar melhorias na gestão das unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *