Processo de Acolhimento na SaúdePowered by Rock Convert

Assim como os alimentos, alguns dos utensílios utilizados pelo setor da saúde precisam ser mantidos em temperaturas favoráveis para preservarem a eficácia e utilidade. Neste contexto, nasce o conceito de Cadeia do Frio, ou também, chamada de Cadeia Fria.  

A Cadeia do Frio é um ambiente com temperatura propícia que deve ser mantida desde a saída da fábrica, até o transporte e chegada ao destino final.  

Dentro da área de logística de medicamentos e vacinas, esse modelo é muito importante para garantir a qualidade do medicamento ou imunizante recebido pelo paciente.  

Continue a leitura e entenda com detalhes o que é a Cadeia do Frio e a importância para a saúde! 

Quais insumos devem ter a temperatura controlada? 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 50% das vacinas distribuídas em todo o mundo já são entregues deterioradas. Por esse e outros motivos, o cuidado com os insumos são de extrema importância e devem ser reforçados.  

Seguem alguns produtos termolábeis (sensíveis ao calor e ao frio) que dependem da Cadeia do Frio para preservarem as propriedades: 

  • Medicamentos; 
  • Vacinas; 
  • Leite materno; 
  • Órgãos doados para transplante; 
  • Hemoderivados. 

Entre outros. 

Normalmente, o controle das temperaturas indicadas é feito por um profissional responsável. A medição deve ser feita no momento do recebimento, por exemplo, e imediatamente ser mantido e guardado em recipiente apropriado até o momento da oferta ao paciente, quando deve ser aferido novamente. 

Quais cuidados são necessários? 

Na iniciativa pública, temos o Programa Nacional de Imunizações que prevê cuidados e promove a garantia da qualidade dos imunobiológicos adquiridos e ofertados para a população.  

O Ministério da Saúde faz publicações de manuais da Rede de Frio, responsável por normatizar, planejar, avaliar e financiar uma manutenção adequada da Cadeia do Frio na rede pública de saúde. Nas publicações, o órgão se preocupa em mostrar boas práticas no manuseio, transporte e armazenamento de medicamentos e vacinas, por exemplo.  

A Rede de Frio, segundo a publicação da 5ª edição do manual, possui instâncias que, juntas, compõem a estrutura. São elas: 

  • Nacional; 
  • Estadual; 
  • Regional; 
  • Municipal; 
  • Local.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou uma nova resolução, RDC 430/2020, que dispõe de padronização para a qualidade de logística e transporte de medicamentos.  

A resolução se aplica às empresas que distribuem, armazenam e transportam remédios.  

O que é uma Cadeia do Frio eficiente? 

Seja no setor privado ou público, algumas iniciativas são indispensáveis para manter uma Cadeia do Frio eficiente. 

Algumas características determinam a otimização das ações tomadas. Confira, a seguir, alguns exemplos de eficiência: 

  • Utilização do produto dentro do prazo determinado para utilização fora de refrigeração; 
  • Checagem e controle da temperatura desde o momento do recebimento até o oferecimento do produto; 
  • Uso da tecnologia para o monitoramento de temperatura; 
  • Implantação de procedimentos-padrão (POP) específicos, como o Manual de Rede de Frio; 
  • Armazenamento adequado e observação constante durante a estocagem.

Em uma pandemia, como a de Covid-19, é experienciada a necessidade de entrega de imunizantes no tempo e condições corretas. A logística é um ponto muito importante neste contexto, que garante o salvamento de vidas. 

Assim, o cuidado com o material deve receber atenção especial, pois não se qualifica como o transporte de cargas comuns. Existe uma responsabilidade compartilhada, que com o envolvimento e comprometimento de todas as partes obtêm sucesso em todo o processo. 

Cadeia do Frio e tecnologia 

Dentre as recomendações da RDC 430/2020 da ANVISA, a tecnologia aparece como ponto importante para que o monitoramento das temperaturas seja feito. 

Soluções nesse aspecto, apresentam inúmeras vantagens durante o processo! 

Para saber mais sobre o mercado da tecnologia e sua importância para a gestão de saúde, acompanhe o nosso blog. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *