Processo de Acolhimento na SaúdePowered by Rock Convert

O Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) foi criado em 2001 pelo Ministério da Saúde. O PNTN é um programa que reúne ações voltadas ao cuidado com a saúde de recém-nascidos. 

A iniciativa objetiva o diagnóstico precoce de algumas doenças, visando um tratamento mais adequado em tempo hábil e com acompanhamento médico. A intenção é reduzir a mortomobilidade e melhorar a qualidade de vida. 

O PNTN faz parte do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Continue a leitura e entenda com detalhes, o que é o PNTN e como ele funciona! 

Leia também: Programas de Saúde: O que são? 

O que são Programas de Saúde? 

Você conhece alguns dos programas de saúde do SUS? O SUS foi criado em 1988 e, de lá para cá, criou diversos programas de saúde.  

O SUS e as iniciativas que ele engloba visam a acessibilidade integral e gratuita da população aos serviços de saúde. Com isso, a iniciativa pública visa garantir à população, procedimentos médicos, como: consultas, exames, cirurgias e internações hospitalares. 

O teste do pezinho, por exemplo, passou a ser obrigatório e oferecido gratuitamente por meio do PNTN. 

Leia também: 30 anos de SUS: desafios e acertos do sistema 

PNTN: como funciona? 

O PNTN reúne uma série de ações preventivas, que são realizadas, em sua maioria, na população entre 0 a 28 dias de vida.  

O termo triagem, triage, em francês, significa seleção. O conceito se liga ao fato de identificar em uma população assintomática, possíveis doenças ou distúrbios que poderiam vir a se desenvolver caso não sejam tomadas ações de prevenção e cuidados imediatos.  

Em 2019, mais de 2,2 milhões de brasileiros recém-nascidos fizeram o teste do pezinho!  

É recomendado que o exame seja feito entre 48h até o 5º dia de vida do bebê, devido ao início de sinais e sintomas de seis das doenças monitoradas pelo PNTN.  

Os pontos de coleta do teste do pezinho são nas Unidades de Saúde da Família (USF), Unidades Básicas de Saúde (UBS) e em maternidades espalhadas pelo país.  

Para inclusão de outros exames ao protocolo do programa, alguns critérios devem ser observados, de acordo com os propostos por James Wilson e Gunnar Jungner no ano de 1968, em documento publicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). 

Confira, logo abaixo, alguns deles: 

  • A história natural da doença deve ser bem conhecida; 
  • Ser possível a identificação da doença antes do início das manifestações clínicas; 
  • A possibilidade de tratamento em estágio precoce deve trazer maiores benefícios, comparado ao tratamento após manifestação clínica da doença; 
  • Existência de um teste adequado para o diagnóstico em estágio precoce, passível de incorporação nas rotinas para diagnóstico de outras doenças já incorporadas em testes de triagem neonatal; 
  • A incidência da doença deve ser alta na população; 
  • O custo-benefício da triagem populacional deve ser considerado bem como sua efetividade; 
  • Deve existir uma ampla aceitação por parte da população.

Atualmente, o PNTN abarca alguns exames, como: o teste de hemoglobinopatias, de Fibrose Cística, de Hiperplasia Adrenal Congênita, de Deficiência da Biotinidase e a testagem da Toxoplasmose Congênita.  

Leia também: Programas da saúde: conheça 3 iniciativas em que o SUS brasileiro é referência 

Cuidados na gravidez e pós-parto 

Neste artigo, você constatou que os cuidados na gravidez e nos primeiros dias de vida do bebê são essenciais para que ele cresça saudável e livre de algumas doenças.  

Também foi mencionada a importância do PNTN do SUS para a acessibilidade de exames essenciais para os recém-nascidos, como o teste do pezinho.  

Para ficar por dentro de outros conteúdos relacionados a saúde pública e tecnologia, confira outros artigos do nosso blog e assine a nossa newsletter! 

Categorias: Saúde Pública

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *